quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Segurança clínica do fipronil em cães e gatos

Um dúvida que tem sido frequente é em relação à segurança clínica de ectoparasiticidas para cães e gatos. Encontrei este texto escrito pelo Dr. Leonardo Brandão, MV, MSc, PhD, publicado no dia 03/08/08 no site http://www.zoonews.com.br/noticiax.php?idnoticia=146321


A avaliação da segurança de um produto para utilização em cães e gatos é fundamental não apenas para garantir a saúde dos animais tratados, como também, das pessoas que terão contato com eles. Devido ao seu mecanismo de ação exclusivo e sua alta afinidade por invertebrados, o Fipronil apresenta elevados padrões de segurança, inclusive para uso em cadelas e gatas gestantes ou em lactação (dados internos Merial Saúde Animal). Em sua formulação spray (a 0,25%), o Fipronil pode ser utilizado em cães e gatos já a partir do 2º dia de vida (CONSALVI, et al., 1996). Neste estudo, 48 cãezinhos com 2 dias de vida foram tratados com FRONTLINE Spray, na dose máxima de fipronil recomendada, em dois momentos (com 28 dias de intervalo). Nenhum dos animais tratados apresentou qualquer alteração clínica relevante (CONSALVI, et al., 1996).

Num estudo conduzido com a finalidade de se avaliar os efeitos da exposição tópica em aplicações subseqüentes de fipronil, 40 cães e 40 gatos receberam fipronil tópico (FRONTLINE Topspot) a 10% em doses 1x, 3x e 5x a dose máxima recomendada, a cada 28 dias, durante 6 tratamentos. Não houve alterações clínicas, laboratoriais (hematológicas e bioquímicas) ou cutâneas (macro e microscópicas) em nenhum dos animais estudados (ARNAUD e CONSALVI, 1997a).

De modo similar, durante mais de 4 anos, 10 cães, machos e fêmeas, sem raça definida, mantidos no Canil Experimental do Departamento de Clínica Médica da FMVZ-USP (Brasil), com a finalidade de estudo e pesquisa segundo as normas éticas regentes na Universidade, foram tratados em intervalos de 21 dias com fipronil tópico (10%) acrescido de (S)-Metopreno (FRONTLINE Plus) na dose usual recomendada pelo fabricante. Os animais foram avaliados em relação a parâmetros clínicos, hematológicos e bioquímicos, não tendo sido observadas quaisquer alterações durante o período de estudo (MITIKA K. HAGIWARA, 2006*).

A segurança da ingestão de fipronil fora também avaliada em um interessante estudo conduzido por Arnaud e Consalvi (1997b). Neste estudo foram utilizados gatos (3) e cães (8) que receberam dose única por via oral de 320mg de fipronil/kg de peso (gatos) e 160, 320 e 640mg de fipronil/kg de peso (cães). Esta quantidade equivale a 29 pipetas para um gato de 5 kg e 87 pipetas para um cão de 10 kg. O fipronil foi administrado em pó, acondicionado em cápsulas de gelatina. Não foram observadas alterações neurológicas ou morte em nenhum dos animais. A única alteração observada nos animais foi vômito (1 gato, 3 a 7 horas após o tratamento) e discreta diminuição do peso corporal e consumo de alimento em alguns cães.

A segurança de FRONTLINE foi demonstrada por estudos onde a ingestão de grandes quantidades do produto (equivalentes a 29 pipetas para um gato e 87 pipetas para um cão) não causou qualquer sintoma de intoxicação em cães ou gatos.


Um estudo similar para avaliar a segurança da associação metaflumizona+amitraz foi realizado, no entanto, a quantidade administrada por via oral aos cães foi de 10% do volume do produto comercial (HEANEY & LINDAHL, 2007).

Porcentagem de eficácia contra carrapatos (Riphicephalus sanguineus) em cães tratados com Fipronil+(S)-Metopreno ou Metaflumizona+amitraz.


Um estudo de campo em várias regiões da Europa (HELLMANN e al, 2007) fora conduzido com o objetivo de avaliar a eficácia e segurança da metaflumizona+amitraz e do Fipronil em cães para tratamento contra pulgas e carrapatos.

Doze animais (12), dentre os 293 que receberam o tratamento a base de metaflumizona+amitraz, apresentaram reações adversas que foram provavelmente relacionadas ao tratamento. Seis (6) animais desenvolveram reações locais no ponto de aplicação do produto (área hiperpigmentada, pêlos pegajosos, etc). Outros seis (6) animais tiveram sintomas de vômito, bradicardia, hipotermia, prostração, inapetência, diarréia, prurido e pústulas no abdome (HELLMANN e al, 2007).

Nenhum efeito adverso foi relatado em nenhum dos 149 cães que foram tratados com FRONTLINE durante este mesmo experimento

Um comentário:

laura disse...

olá gostaria de comprar o remedio mas nao sei como sera q vc poderia me ajudar?